Início > Crônicas > EU ENTENDO ZECA CAMARGO, MAS, NÃO CONCORDO

EU ENTENDO ZECA CAMARGO, MAS, NÃO CONCORDO

Zeca_Camargo

Apesar de ter crescido ouvindo Raul Seixas, nunca percebi que, na prática, eu também pudesse ser uma metamorfose ambulante, pois, é difícil reconhecer que a mudança também precisa acontecer em você.

Diante disso, dois episódios independentes que aconteceram nesta semana, me fizeram enxergar, com clareza, que estou passando por uma transformação de mentalidade e atitude. E, como em um filme com um roteiro confuso, vou citá-los em meu texto na ordem inversa a cronologia dos fatos.

Primeiramente, – mas que, no caso, foi o último evento – zapeando pela minha timeline do Facebook vejo a seguinte frase: “virei o tipo de pessoa que foge do tipo de pessoa que eu costumava ser”. Uma postagem da escritora Clara Averbuck, dizendo, literalmente, aquilo que eu queria falar.

Talvez, para outra pessoa que não esteja vivenciando uma transformação de mentalidade parecida com a minha eu, essa afirmação passaria despercebida ou, até mesmo, não faria sentido algum.

Mas, para mim, foi como se tivessem gritado “bingo” dentro do meu cérebro! Sabe aquele momento que você se pergunta: “caramba, como não percebi isso antes?”. Pois é, para mostrar como cheguei nesse raciocínio, vamos para o segundo caso que, na realidade, aconteceu antes que o anterior: O comentário de Zeca Camargo sobre a morte de Cristiano Araújo.

Numa tentativa frustrada de abordar um ponto de vista diferente daquilo que havia sendo feito pela grande mídia, Zeca perdeu uma boa oportunidade de ficar calado e acabou nos brindando com uma enxurrada de clichês preconceituosos sobre cultura popular.

Entendo que realmente, neste momento, há uma ausência de referências culturais e o que existe é uma indústria de “muitos cantores que cantam a mesma coisa”. Provavelmente por isso, não há muitos critérios para definição de novos ídolos nacionais. Assim, seguimos a filosofia do “já que não tem tu, vai tu mesmo” e, infelizmente, abraçamos sucessos que já nascem com data de validade definida.

Talvez, até fosse esse o objetivo de sua crônica. Entretanto, além de não demonstrar preocupação com os sentimentos dos familiares do cantor, ele direcionou o debate sobre cultura para a discussão de gêneros musicais.

E, nesse caso, é bastante comum defender aquilo que gostamos e menosprezar o gosto do outro.

Uma postura é chata, pois, nada te dá o direito de se julgar melhor do que ninguém. Você pode ter se formado em Harvard, mas, mesmo assim ainda não fará um café tão gostoso quanto ao que minha tia faz, lá no interior de Minas Gerais.

As pessoas são diferentes, com gostos diferentes e cada uma tem sua particularidade. Não respeitar isso, é sinônimo de arrogância e prepotência.

Sei disso, porque me identifiquei com vários trechos do texto de Zeca Camargo, o que me deixou bastante incomodado.

Pois, não é nada legal perceber que eu era aquele cara que criticava uma coisa antes mesmo de conhecer.

E era assim com tudo. Me considerava espiritualmente superior em relação aos outros que não faziam parte da minha religião. Tentava ajudá-lo a encontrar o caminho da luz, não entendendo como eles podiam não enxergar algo tão óbvio, quando, na verdade, era eu quem estava cego pela minha soberba.

O fato é que os parágrafos bem escritos por Zeca Camargo, mostram um lado meu que procuro me esforçar para não apresentá-lo mais ao mundo. Um ser egoísta, que se acha mais inteligente do que alguém, apenas por sintonizar uma rádio diferente.

Defendia coisas que, hoje em dia, não fazem mais o menor sentido para mim. E, assim como na postagem da escritora, evito conversar com quem lembra esse meu passado. Pessoas que um monte de babaquices e disseminam intolerância, sem mensurar as consequências negativas dessa atitude.

Lógico que, vez ou outra, tenho algumas recaídas e saio por aí pagando uma de Arnaldo Jabor, mas, tento me fiscalizar diariamente para que isso aconteça cada vez menos. Afinal, gosto mais de quem sou hoje e das pessoas que conquistei assim.

Não quero mais construir uma imagem pseudo intelectualizada, em detrimento da ridicularização de outras pessoas.

Confesso que não conhecia nenhuma música de Cristiano Araújo (ou, se conhecia, não sabia que era dele) porém, o cara cansou de ganhar dinheiro por conta de seus inúmeros shows superlotados, logo, algum talento ele deveria ter.

Qualquer raciocínio diferente disso é uma maneira indiscreta de tentar impor suas preferências para as outras pessoas.

Pare com isso, porque tá feio

Anúncios
  1. 02/07/2015 às 9:48

    Republicou isso em reblogador.

  1. No trackbacks yet.

Gostou? Então comenta aí.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s