Início > Crônicas > EU TAMBÉM VOU RECLAMAR

EU TAMBÉM VOU RECLAMAR

A moda agora é a tal da operação padrão, onde todo mundo reclama muito e produz pouco. Servidores públicos reclamam de seus salários e os trabalhadores comuns reclamam por não serem servidores públicos. Lembrando o verdadeiro baião de Dominguinhos, onde quem está fora quer entrar, mas quem está dentro não sai.

Não sou a favor dos grevistas e nem do governo. Como não tenho sindicato que defenda apenas os meus interesses, eu também vou reclamar.

Vou reclamar do tempo que fico no trânsito por conta dos tantos protestos que são feitos diariamente nas avenidas da capital federal. Ao contrário da maioria daquelas pessoas que estão gritando palavras de ordem e trajando suas roupas vermelhas, meu carro não tem ar condicionado e muito menos câmbio automático. Tenho que enfrentar o calor e fazer o bendito controle de embreagem. É ou não é uma sacanagem?

Também quero reclamar do meu vizinho. Melhor dizendo, do carro do meu vizinho e do “som irado” que ele faz questão de deixar no último volume durante os fins de semana. E o pior, analisando suas músicas percebo que ele não tem a menor vocação para DJ.

E os operadores de telemarketing? Quero me queixar sobre eles, afinal, nem de falar ao telefone eu gosto.

Ah, não posso esquecer de deixar aqui registrada a minha reclamação em relação ao Pacheco, o meu cachorro, que nunca faz suas necessidades fisiológicas no jornal. Na verdade, ele come o jornal.

Pensando bem, a reclamação não é nem para o animal, mas para quem um dia me disse que seria fácil convencer o cão que aquelas folhas impressas não eram brinquedos.

E por fim quero reclamar de quem só reclama e não contribui em nada. Fico preocupado quando lembro que nessa semana Jorge Amado completaria um século de vida se não tivesse morrido aos oitenta e oito anos de idade. E percebo que nesses doze anos não surgiu aqui no país ninguém próximo do talento literário daquele velho baiano. Se as pesquisas mostram que meus compatriotas não tem o hábito de ler, não me espanta que não gostem de escrever também.

Reclamamos do desempenho dos atletas brasileiros nas Olimpíadas, mas não falamos sobre investir, de verdade, nas escolas. E que fique claro, aumento de salário dos profissionais da educação não implica necessariamente que haverá qualidade no ensino.

Algumas pessoas se queixam que são azaradas no relacionamento, no emprego, nas amizades e em tudo que precisam enfrentar na vida. Mas, não se esforçam para mudar a forma de agir, de encarar os fatos. Preferem acreditar que os outros são obrigados a aturar seus defeitos de personalidade. A mudança de comportamento é boa e, às vezes, até necessária.

Assistem à novela e não conseguem perceber como são parecidas com a protagonista, afinal seguem protagonizando a trilha cantada por Gal Costaeu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim…”.

Dessa forma, a culpa sempre será da outra pessoa e por isso continuarão aparecendo tantas reclamações mal fundamentadas por aí.

Anúncios
Categorias:Crônicas Tags:,
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Gostou? Então comenta aí.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s